LINHAGENS ANCESTRAIS


O xamanismo é a mais antiga prática espiritual, médica e filosófica da humanidade. Hoje médicos, advogados, donas de casa, psicólogos, espiritualistas, místicos, estudantes, executivos, e pessoas das mais variadas crenças estão estudando e aplicando o xamanismo. Os rápidos resultados, visões de profundo significado, o contato com realidades ocultas, a obtenção de autoconhecimento, a busca do poder pessoal, contribuem para o interesse nas práticas. O xamanismo é um conjunto de crenças ancestrais. Sua prática estabelece contato com outros planos de consciência, a fim de obter conhecimento, poder, equilíbrio, saúde. Propicia tranquilidade, paz, profunda concentração, estimula o bem estar físico, psicológico e espiritual. O xamã pode ser homem ou mulher. É o mago, o curandeiro, o médico, o terapeuta, o conselheiro, o contador de estórias, o líder espiritual. Ele é o explorador da consciência humana. O praticante é levado a sair do torpor convencional, reconhecendo os seus limites, a sua limitada visão pessoal do mundo, buscando um plano mais universal. Através de um chamado interior ele vive um confronto existencial que o força a sair de uma zona de conforto, do falso brilho, da alienação. Reforçando a coragem e a determinação, o praticante mobilizado por visões e vivências, expande a sua consciência, podendo processar transformações de profundas proporções na sua vida. O xamanismo resgata a relação sagrada do homem com o planeta. Praticar xamanismo é ir a busca da excelência espiritual, é enxergar a realidade existente por trás dos conceitos, é se harmonizar com as marés naturais da vida. É trilhar o Caminho Sagrado, atravessando os portais da mente, das emoções, do corpo e do espírito. A premissa básica é o reconhecimento que todos fazemos parte da Família Universal e tudo está interligado. O praticante compreende o "Espírito Essencial" que está dentro dele mesmo, na natureza e em todos os seres. Ele sabe quem ele é, e como se relaciona com o Universo. O reconhecimento do caminho da verdade vem da expansão da consciência e a compreensão que o verdadeiro poder está dentro de cada praticante, e provém do desenvolvimento de seus próprios dons. Hoje, no Planeta, a vibração está mais alta do que nunca. As pessoas se preocupam cada vez mais com o autoconhecimento e fazem a sí mesmo uma pergunta : "O que eu realmente devo fazer na vida? "Nesta busca deparam-se com barreiras, seja com relacionamentos, trabalho, saúde, carreira e etc. O maior obstáculo para o crescimento é a inércia, que cria a insensibilidade, pois priva o indivíduo de novas possibilidades, cria passividade com relação à vida. Cria falta de vitalidade limita a criatividade e predispõe ao papel de vítima. A consciência se limita a fugir, a ter medo. A vítima fica sempre vivendo as sombras do passado e com medo do futuro. As práticas xamânicas compelem a mente a viver dentro do coração, até que a mente ignorante seja destruída. Isso se manifesta quando o ser se revela espontaneamente. Na verdade, o antigo modo de viver acaba abrindo caminho para um jeito mais consciente. Quando se aproxima o verdadeiro propósito da alma, tudo da natureza interior vem à tona. A pessoa entra em um processo mais rápido de transformação pessoal. Quando convidamos o amor para despertar poderes mais profundos, trabalhar nos desafios torna-se uma aventura.

O praticante explora a estrutura de sua própria consciência e vai compreendendo como os fatos acontecem na sua vida, deixando de ser vítima das circunstâncias. Sente-se inspirado pelos desafios e aprende a utilizar a energia de forma a caminhar no Amor - Paz e Luz. Praticando a sabedoria das antigas tradições adaptadas ao mundo atual e ao estado atual da alma humana, o trabalho é feito com tambores, canções, meditações, instrumentos de poder, danças, respirações especificas, visualizações, histórias, vivências com os quatro elementos e dentro da natureza, temaskal (tendas do suor), harishan e muito, muito amor. Do mesmo modo como observamos heróis de contos populares como indicadores da adaptação criativa, do mesmo modo que usamos pessoas comuns da vida real como modelos e estímulos também podem cultivar e usar imagens arquetípicas para o nosso amadurecimento e nossas necessidades criativas. Quando adequadamente analisados, elas apontam o caminho para a ação, a escolha ou o valor que é caracteristicamente nosso próprio jeito instintivo de ser. O arquétipo é um padrão instintivo ou maneira de ser, e não a personalidade, não a forma. É uma abstração, e, como tal, pode ser usado para representar nossos mais elevados objetivos na vida e nossas mais puras características. As imagens arquetípicas nos ajudam a encontrar nosso caminho para aquilo dentro de nós que está vivo. Os arquétipos sugerem maneiras pelas quais podemos nos comportar. Esses arquétipos são aqui chamados de Espírito de luta (Guerreiro), Espírito de cura (Curador), Espírito de criação (Visionário), Espírito de sabedoria (Mestre). Essa teoria foi arquitetada a partir de pesquisas feitas em tradições cultivadas por todos os povos que mantém ligações estreitas com a Mãe Natureza. Sua base é o trabalho desenvolvido pela professora, antropóloga e escritora Angeles Arrien, da Universidade da Califórnia e aplicada com êxito em vários cursos e workshops sobre liderança e aperfeiçoamento pessoal, ministrados por ela nos Estados Unidos e em outros países. Fundamenta-se, portanto, na sabedoria natural dos povos que tem a natureza como única e verdadeira fonte de sabedoria universal. Essa sabedoria tem sido amiúde confirmada por pesquisas científicas feitas por estudiosos das diversas áreas da psicologia e out